em
cartaz

respeitável público blog

TEATRO

Solo participa de festivais em Portugal

A Cia Teatro da Cidade de São José dos Campos participou com a nova montagem “Eu, Lélia”, solo com Andreia Barros e direção provocação de Antonio Januzelli (Janô), no Festival Periferias e no Festival Internacional de Teatro do Alentejo (FITA) em Portugal. As apresentações ocorreram nos últimos dias 10 e 11 de março de 2017, respectivamente, nas cidades de Sintra e Elvas. O workshop “O Trabalho Dramático do Ator”, ministrado por Janô e que faz parte do processo de montagem do espetáculo, será realizado nos próximos dias 24 e 25 de março, em Berlim (Alemanha), em parceria com as produtoras brasileiras Xica Lisboa e Telma Vieira.

A estreia do espetáculo no Festival Periferias e no Festival Internacional de Teatro do Alentejo em Portugal é fruto de parcerias da Cia Teatro da Cidade com os grupos Chão de Oliva (Sintra) e Cia de Teatro Lendias D´Encantar (Beja), responsável pelo FITA.

O espetáculo “Eu,Lélia”, que ainda não tem previsão de estreia no Brasil, faz parte de um processo de trabalho da atriz Andreia Barros, uma das fundadoras da Cia Teatro da Cidade, com o ator, diretor, professor e pesquisador das práticas do ator, Antonio Januzelli (Janô). Inspirado na autobiografia “Vida e Arte – Memórias de Lélia Abramo”, o espetáculo, por meio da linguagem Narrativa, percorre a vida e carreira da atriz Lélia Abramo (1911-2004), e aborda o período da Segunda Guerra Mundial, quando ela viveu em Roma (1938-1950), a militância política na época da Ditadura e alguns de seus famosos personagens, como Pozzo (Esperando Godot, de Samuel Becket), Romana (Eles não usam black-tie, de Gianfrancesco Guarnieri), e Bibiana (minissérie O Tempo e o Vento, exibida pela Rede Globo).

Processo - A proposta da encenação é provocar uma reflexão sobre os fundamentos da arte de representar, as inquietações de um trajeto artístico e de um processo de criação, que não exige unicamente o resultado pronto, mas, acima de tudo, que permita viver profundamente o processo. “Nomeamos Laboratório Dramático do Homem-ator essa pesquisa que há mais de quatro décadas vimos aprofundando, seja no Curso de Artes Cênicas da Universidade de São Paulo ou junto a grupos de teatro dedicados à investigação do ofício do Ator: o homem que exercita desalojar-se de si para tornar-se outro, outros”, explica Janô.

Lélia Abramo iniciou sua carreira aos 47 anos. Participou de 27 telenovelas, 14 filmes e 23 peças de teatro, tendo convivido com grandes nomes do teatro paulista, como Gianni Ratto e Sérgio Mamberti. Na TV é lembrada pela matriarca Januária Brandão na novela Pai Herói (1979), Mama Vitória em Pão Pão, Beijo Beijo (1983) e Bibiana na minissérie O Tempo e o Vento (1985). Todas produzidas pela Rede Globo. Sua militância política custou-lhe, porém, alguns anos de ostracismo na televisão, principalmente, quando assumiu a presidência do Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversões (SATED) do Estado de São Paulo, integrando a primeira chapa de oposição a ser vitoriosa desde o início da ditadura (1964-1985).  


Mais Informações: Andreia Barros (12-98248-3039) – Janô (11-3862-3099)


 
 
 

fique por dentro da sua melhor companhia assine e receba novidade por emails